Cavernas e Dragões no Universo de Fabio Guolo

Olá pessoal!
Nesta semana começaremos com um post vindo de mundos fantásticos. Onde a magia é real e criaturas assustadoras assombram lugares desconhecidos... O autor Fabio Guolo, que mora em Curitiba/PR e é um antigo amante do RPG, nos proporciona uma ótima aventura com a Draco Saga: O Despertar, que conta a história de Dryfr, um dragão que ficou adormecido por muitos anos e quando acorda percebe que novas criaturas estão povoando o mundo: humanos. E seu conto A Baronesa que se trata de uma importante personagem de Draco Saga. Vamos deixar esse nosso mundo tecnológico, e muitas vezes desinteressante, de lado e embarcar em uma aventura onde cavernas e dragões são, unidamente, fatos. Vamos nessa!


Fabio Guolo nasceu em 1979 em Gravataí, região metropolitana de Porto Alegre/RS.

Morou boa parte da infância e adolescência em Sombrio/SC, cidadezinha de 30 mil habitantes onde teve o primeiro contato com o RPG. Lá, fez grandes amigos e concluiu o ensino médio no Colégio Estadual Catulo da Paixão Cearense.

Estudou Física na Universidade Estadual de Londrina, morando por pouco mais de 3 anos na cidade e fazendo outros grandes amigos.

Estudou Sistemas de Informação na Faculdade Santa Cruz de Curitiba, onde mora desde o ano 2000 e onde conheceu e casou-se com a advogada Cassiana Bereza.

É mestre de RPGs de mesa desde 1995.

Draco Saga, sua obra de estreia, foi inspirada pelas inúmeras histórias criadas e contadas aos seus amigos ao longo dos anos de RPG.

Ambientado em um cenário de fantasia medieval fictício, Draco Saga traz ao leitor, propositalmente, questões polêmicas de cunho social, religioso e existencial. A obra é inteiramente ficcional, baseada na imaginação do autor e em algumas de suas experiências e convicções reais.

Fabio Guolo tem como grandes mestres inspiradores escritores como J.R.R. Tolkien e Bernard Cornwell e, por isso Draco Saga, em termos de fantasia e realidade situa-se em algum ponto entres as obras dos dois grandes mestres.


O DESPERTAR - Livro um de Draco Saga

Sinopse: Imagine entrar em coma, acordar alguns anos depois e descobrir que sua sociedade e cultura estão sendo destruídas por uma praga que se propaga mais rápido do que é possível conter. A praga, porém, somos nós humanos, mortais, gananciosos, sedentos por poder e riqueza em um mundo novo que já era dominado por seres de inteligência superior que nos permitiram viver em paz em seus domínios por muito tempo. No entanto, não valorizamos a liberdade que nos foi dada e o preço a pagar pode ser alto demais!







A BARONESA - Um conto de Draco Saga

Sinopse: O que você faria se acordasse e descobrisse que foi parar em um mundo estranho onde jamais esteve?
O que faria se jamais pudesse ver outra vez qualquer lugar ou pessoa que já tenha conhecido?
E se descobrisse que você próprio também não é mais o mesmo?
Foi o que aconteceu com ela. Tendo que se adaptar a um mundo novo enquanto convivia com os mistérios intransponíveis do próprio passado ela teve sua personalidade remodelada pela nova natureza tanto quanto pelo ambiente hostil ao seu redor. Amada por muitos e odiada por poucos, porém poderosos inimigos, conseguirá ela sobreviver?




Previstos:
A SENTINELA - Livro dois de Draco Saga - Agosto/2012
O PALADINO - Conto dois de Draco Saga - Janeiro/2013 
A ASCENSÃO - Livro três de Draco Saga - Setembro/2013



Segue abaixo uma entrevista com o autor

Você é mestre de RPG's de mesa desde 1995, mas há quanto tempo já pensava em escrever sobre fantasia?

R.: Na verdade escrevo sobre fantasia desde que sou Mestre de RPG. Entretanto, escrever um livro começou a me passar pela cabeça lá pelos idos de 2004. 

Fora o RPG, você teve alguma outra fonte de inspiração?

R.: Sim, várias! Filmes, séries, outras obras literárias... Acredito que tudo o que um escritor vive ou sonha pode ser considerado influência. 

Com influências de J. R. R. Tolkien, você acha que o Dragão Smaug, do livro O Hobbit, serviu de base para o perfil de Dryfr?

R.: Com certeza. A personalidade de Dryfr demonstrada no início de O Despertar é exatamente o perfil comportamental apresentado por Smaug em O Hobbit. Alguns leitores desavisados criticam esse aspecto do meu livro e seu protagonista por não estarem familiarizados com a mística que cerca os jogos de RPG de fantasia medieval e as obras literárias nos quais foram baseados. E esse é um belo exemplo disso.

Você planeja escrever outros livros que também se tratam de fantasia?

R.: Não só pretendo como já estou escrevendo. Em breve teremos mais notícias.

O que você acha do cenário atual de Literatura Fantástica do nosso país?

R.: Acho ótima a ascensão que o estilo vem ganhando recentemente, mas não me agrada a confusão que muitas pessoas fazem, inclusive profissionais da área, ao incluir sob este rótulo obras que não seriam assim vistas tradicionalmente. Hoje tudo o que não é realista virou Literatura Fantástica dando a Literatura Fantástica um tom infantil que antes não tinha. Obras vampirescas (nada contra, pelo contrário, eu gosto principalmente dos clássicos) antigamente eram tratadas como obras de Terror/Horror e hoje muitos classificam como Literatura Fantástica. E isso para citar apenas um exemplo.

E para terminar, quantos personagens, de nível alto, seriam necessários para vencer um duelo com o dragão Dryfr, em um RPG de mesa mestrado por você?

R.: Cara... Muitos! Um exército deles, eu diria. Dryfr tem recursos que poucas criaturas teriam mesmo em alto nível. Para início de conversa o sistema de magias que ele utiliza é algo parecido com o de "Mage: The Ascension" (magia dinâmica) sem as limitações que um "Mage" tem e isso por si só já o torna muito mais poderoso do que os dragões tradicionais de D&D, por exemplo. Na verdade o próprio D&D não teria regras que comportassem uma adaptação de Draco Saga. Se tua ideia é jogar no cenário de Draco Saga eu te diria que teríamos duas opções: adaptá-lo usando as regras de GURPS (pelo menos 4 suplementos além do módulo básico seriam necessários) ou criar um sistema próprio.

Gostaram?
Curtam mais alguns links

Até  mais!
Pedro Sebilhano








1 comentários:

Fábio Guolo disse...

Fala Pedro! Obrigadíssimo pelo post!
Grande abraço!

Postar um comentário